Considerado uma das jóias raras da Europa, o arquipélago dos Açores, situado em pleno Oceano Atlântico, entre o velho e o novo mundo, a 1500 quilómetros de distância da costa do continente português, a todos encanta com a sua beleza natural.
De origem vulcânica, as suas nove ilhas são descritas como idílicas, apresentando paisagens de cortar a respiração.  Este paraíso perdido no mar é hoje destino de excelência, tal como no passado foi a ponte entre mundos.
As suas paisagens verdejantes e a pacatez das suas cidades e vilas fazem do arquipélago um dos destinos mais apetecíveis para quem procura um turismo inspirado na natureza.
Rico pela sua pela sua diversidade, disponibiliza, em cada uma das suas nove ilhas, um vasto número de atividades que vale a pena experimentar. Ideal para a prática de atividades náuticas ou observação de cetáceos,  este é um local único no mundo.
Este arquipélago, que assumiu o estatudo de Região Autónoma em 1976,  encontra-se dividido em três grupos: o Grupo Ocidental, constituído pelas Flores e pelo Corvo, o Grupo Oriental que inclui a ilha de Santa Maria e São Miguel e o Grupo Central, constituído pela Terceira, Graciosa, São Jorge, Pico e Faial.
Cada um dominado pelas características da região, têm em comum, entre si, a admirável gentileza do encantador povo açoriano que tão bem sabe receber.
Quanto aos encantos naturais, destacamos as magníficas quedas de água ou as lagoas de água azul que integram as paisagens vulcânicas de São Miguel; a beleza dos palácios e igrejas de Angra do Heroísmo, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, na ilha Terceira; o famoso porto da Horta, no Faial, que ainda hoje acolhe novos e velhos lobos do mar; os vinhedos plantados em negros campos de lava do Pico; as Fajãs de São Jorge; os moinhos de vento da Graciosa; as cascatas naturais e as lagoas escavadas por vulcões das Flores; a beleza em bruto da ilha do Corvo; as praias de água quente e areias finas de Santa Maria.

Fonte foto: 
Pixabay

Biblioteca