Os alambiques produziam aguardente vínica, de bagaço, de figo e de pêssego, envolvendo sistemas técnicos especializados. Na atualidade a produção continua, com menos aguardentes e mais licores, sendo feitos por destilação, infusão e maceração.

A confeção de aguardente tem origem na grande produção de uva, vinho e figos e mais tarde de pêssegos. Com o aumento do cultivo destes frutos começam a aparecer na ilha do Pico um maior número de alambiques, cuja classificação diverge tendo em conta os tipos de construções, podendo variar também o aparelho de destilação.

Os alambiques em épocas anteriores podiam ser considerados uma forma dos picarotos fazerem aguardente, para terem algum lucro. A maioria dos alambiques existentes na Ilha do Pico pertencia a pessoas naturais da ilha, mas havia algumas exceções, como os grandes alambiques, que pertenciam a proprietários de outras ilhas.

Na década de 90 iniciaram-se os processos depatrimonialização e a reconversão museológica de alambiques, como é o caso do Núcleo museológico do Lajido, em Santa Luzia (1993).

Ilha: 
Pico
Categoria: 
Turismo
TurismoPontos de interesse
Fonte foto: 
Câmara Municipal de São Roque do Pico
Fonte texto: 
Câmara Municipal de São Roque do Pico