“Faltava uma pedra adequada ao suporte da cruz que devia encimar o frontispício da Ermida. Resolveram ir procurá-la à Caldeira de Cima, distância de seis quilómetros. Quando menos se esperava caiu um lanço de rocha próxima ao local da Ermida, separando-se um bloco, como que a oferecer-se e que serviu otimamente para o referido pedestal. Ao içar-se a seu lugar o citado suporte com a Cruz, rebentou o cordame, sem que a peça, de grande peso, se arruinasse, nem magoasse alguém, estando muita gente no adro e próximo ao iminente perigo. Fernando de Almeida, estando a forrar o teto da Capela, desequilibrando-se do andaime na altura de cinco metros, caiu desastradamente com grande estrondo, julgando todos que ficara sem sentidos e arruinado da saúde, em perigo de vida. Pois apenas no solo, levantou-se com presteza, nada sofrendo além da comoção moral. (…) A 33 metros ao norte da Ermida apareceu novamente uma antiga fonte, brotando com maior caudal. (…) Feitos ali alguns reparos, todos os romeiros à Senhora de Lourdes, especialmente por ocasião da festa, vão ali beber daquela água, ou banhar-se nela, constando até haver-se já realizado algumas curas, que, embora não autenticadas pela ciência dos homens, não repugnam a fé, nem a uma observação criteriosa.”

Cunha, Manuel Notas Históricas p. 273

Ilha: 
São Jorge
Categoria: 
Turismo
TurismoPontos de interesse
Fonte foto: 
Câmara Municipal da Calheta
Fonte texto: 
Câmara Municipal da Calheta